Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Abelhas

Como as abelhas escolhem quem será a próxima rainha?

Imagem
  Essa foi a pergunta que Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) respondeu para a Seção Oráculo, da Revista Superinteressante, edição  de  10 agosto, a pedido do jornalista Daniel Batista. A rainha morreu. Não há tempo a perder. As operárias têm apenas três dias para tomar as providências ou o fim da colônia será uma questão de tempo.  A primeira decisão importante é tomada pelas próprias operárias, filhas da falecida. Elas irão escolher algumas larvas recém nascidas para transformá-las em rainhas. O critério mais relevante para escolha é idade das larvas. Elas precisam ter menos de três dias de vida. A explicação é simples, diz o pesquisador. Até o terceiro dia de vida, todas as larvas são alimentadas com geleia real, uma substância super nutritiva produzida pelas glândulas das operárias. A partir do quarto dia, as larvas que darão origem a operárias passam a receber uma dieta diferente, rica em pólen.  A partir daí, seu destino não

Famílias descobrem aptidão para apicultura no Semiárido

Imagem
  A atividade de apicultura ainda é pouco explorada pela agricultura familiar no Semiárido, principalmente pela falta de conhecimento do importante papel das abelhas no ambiente e na geração de renda. O Projeto ‘Eólicas de Casa Nova’, iniciativa da Embrapa Semiárido e Chesf, com o apoio da prefeitura de Casa Nova (BA) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), vem conseguindo mudar a ideia dos produtores situados no entorno do Parque Eólico Casa Nova quanto à criação racional de abelhas da espécie Apis mellifera.   Antes do projeto, era comum aos moradores da região destruir os ninhos de abelhas devido ao desconhecimento das técnicas de captura e criação. Para transformar essa realidade, foi realizado um trabalho de sensibilização, destacando o potencial da área (abundante em água e flora) para a produção de mel. A ação rendeu bons frutos. Foi expressiva a mudança dos participantes, que passaram a enxergar a apicultura como uma oportunidade de negóci

Polinização pode aumentar a produtividade de culturas de grande importância agrícola no Brasil

Imagem
A flor de um cafeeiro sendo polinizada por uma abelha - Foto: iStock   Tema foi debatido em live com a participação da ministra Tereza Cristina A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou nesta quinta-feira (6) da live  Mulheres no Agronegócio Sustentável através do Processo de Polinização com Abelhas,  promovido pela Associação Brasileira de Exportadores de Mel (Abemel). No encontro, foi debatida a importância da polinização para aumentar a produção em culturas de grande relevância agrícola no Brasil, como soja e café.  A ministra destacou que o Brasil pode trabalhar para aumentar sua atuação nesse setor. “Pela nossa dimensão, diversidade das culturas e pelo nosso clima, poderíamos ter uma atuação muito mais efetiva nesse setor. A polinização ser usada como bioinsumo é uma coisa nova temos um espaço enorme para trabalhar mais esse assunto”, disse. Para a presidente da Abemel, Andressa Berretta, as abelhas podem ser um importante b

Revisão periódica no apiário é fundamental para a saúde do apicultor e das colônias de abelhas africanizadas

Imagem
Você sabia que o apiário requer revisão constante para ser produtivo e saudável? O pesquisador da Embrapa Pantanal, Vanderlei Doniseti Acassio dos Reis, explica que muitas pessoas têm a ideia de que o trabalho na apicultura é tão somente colocar as abelhas nas colmeias (estruturas mais comumente confeccionadas em madeira) e aguardar que elas produzam o mel e demais produtos apícolas, o que não é verdade. “O ideal é que as manutenções e revisões do apiário sejam realizadas quinzenalmente, variando de acordo com as necessidades das diferentes épocas do ano e o objetivo do desenvolvimento da atividade (mel, pólen, própolis, cera, etc.) pelo apicultor: e a quantidade de apiários/colmeias povoadas com abelhas africanizadas é que determina a frequência das revisões”, relata o pesquisador. “Em uma quinzena pode se fazer uma revisão mais rápida – onde será apenas verificado se está tudo em ordem com as colônias, a questão de oferta de alimentos e água, e uma segunda mais detalhada - quando
E aí, gostou da matéria? A Agroales News tem em sua missão trazer boas informações aos seus leitores. Sinta-se livre para curtir, comentar e compartilhar nas redes sociais! Contribua com PIX! Chave PIX AGROALES: 999e11f7-141b-460e-a5fe-27a2673c20b3