Postagens

Mostrando postagens com o rótulo suínos

Mapa lança material didático para reforçar ação contra a peste suína africana

Imagem
  A peste suína africana é uma doença contagiosa que devastou rebanhos na China, em outros países asiáticos e na União Europeia. Não tem cura nem tratamento e, quando diagnosticada, exige o sacrifício de todos os animais contaminados. A chamada PSA ainda não chegou ao Brasil nessa onda mais recente, mas casos foram confirmados no ano passado na República Dominicana e no Haiti. Para proteger o rebanho suíno nacional, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) implementou medidas rigorosas de controle nas fronteiras, incluindo a fiscalização em aeroportos internacionais. Agora, acaba de publicar um material de caráter preventivo: o livro “Diálogos para a prevenção da peste suína africana” foi organizado pela Comissão de Educação Sanitária (CES), vinculada à Superintendência Federal de Agricultura de São Paulo (SFA-SP), a representação do ministério no estado. O conjunto de material didático inclui cartazes, mensagens de voz, infográficos, mensagens de tex

Abate de suínos e frangos cresceu no quarto trimestre de 2020

Imagem
Foto: Wenderson Araújo/Trilux   Os primeiros resultados da produção animal no quarto trimestre de 2020 mostram que o abate de bovinos caiu 10,3%, o de suínos aumentou 1,6% e o de frangos teve alta de 5,5% em relação ao mesmo trimestre de 2019. Os dados são da Estatística da Produção Pecuária: Primeiros Resultados, divulgada hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com o terceiro trimestre de 2020, o abate de bovinos e suínos caiu 5,8% e 4,7%, respectivamente, e o de frangos cresceu 2,5%. Abate de bovinos No quarto trimestre de 2020, foram abatidas 7,25 milhões de cabeças de bovinos, 10,3% a menos em comparação ao mesmo período de 2019 e uma redução de 5,8% em relação ao terceiro trimestre de 2020. A produção de 1,96 milhão de toneladas de carcaças bovinas mostra queda de 6,5% em relação ao quarto trimestre de 2019 e diminuição de 4,6% em relação ao terceiro trimestre de 2020. Abate de suínos e de frangos Já o abate de

Custos de produção de suínos sobem 15% em outubro

Imagem
Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa tiveram mais um mês de grande elevação. Em outubro, o ICPSuíno chegou aos 352,95 pontos, +14,98% em relação a setembro, superando o então recorde nominal do índice, de 306,95 pontos, que também era do nono mês de 2020. Já o ICPFrango fechou o outubro nos 328,76 pontos, +8,89% em comparação a setembro. Também é o novo recorde nominal do índice criado em 2011 pela Embrapa e Conab para medir a variação mensal dos custos de produção. A alta do ICPSuíno foi puxada pela variação também recorde nos gastos com a nutrição dos animais (14,14% em setembro). No ano, o custo geral de produção de suínos já subiu 40,69% e, nos últimos 12 meses, 46,02%. O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina aumentou quase R$ 0,80 em 30 dias, passando dos R$ 5,37 em setembro para R$ 6,17 em outubro. Já o ICPFrango acu

Custos de produção de suínos e de frangos de corte sobem mais de 6% em agosto

Imagem
  Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte, calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa , tiveram uma forte elevação em agosto. O ICPSuíno chegou aos 288,40 pontos, +6,60% em relação ao mês anterior, e novo recorde nominal do índice. Já o ICPFrango fechou o oitavo mês de 2020 em 282,48 pontos, +6,23% em comparação a julho, e também chegou à pontuação mais alta desde sua criação. A alta do ICPSuíno foi puxada pela variação de 5,93% nos gastos com a nutrição dos animais (que chega a 17,63% em 2020 e, nos últimos 12 meses, já acumula 24,71%). O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou dos R$ 4,73 em julho para um valor também recorde de R$ 5,04 em agosto. Já o ICPFrango acumula agora 20,56% de alta em 2020 (e +25,96% nos últimos 12 meses). A nutrição das aves (5,18%) e os pintos de um dia (0,70%), foram os itens que mais subiram no período. Com isso, o custo de produçã

Custos de produção de suínos sobem 10,93% em julho

Imagem
    Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, registram alta em julho. O destaque é para o aumento de 10,93% nos custos de produção de suínos em comparação com junho, o que fez o ICPSuíno chegar ao recorde de 270,48 pontos. Em 2020, o ICPSuíno da Embrapa acumula 21,31% (e 28,92% nos últimos 12 meses). O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou de R$ 4,62 em junho para R$ 4,73 em julho. Segundo o analista da área de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves, Ari Jarbas Sandi, de janeiro de 2011 a julho de 2020 o custo de produção de suínos tipo ciclo completo aumentou 97,03%, passando de R$ 2,40 para R$ 4,73 por kg de suíno vivo. “Como é de se esperar, os insumos que mais contribuíram para esses aumentos foram o milho e o farelo de soja. De janeiro de 2011 a julho de 2020, o milho oscilou 118,8%, enquanto o farelo de soja aum

EPAMIG promove dia de campo virtual sobre Suinocultura

Imagem
Evento, no dia 21 de agosto, vai discutir atividade na região Central de Minas A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, por meio do Instituto Técnico de Agropecuária e Cooperativismo (EPAMIG/ITAC) realiza no dia 21 de agosto, sexta-feira, um dia de campo virtual sobre Suinocultura. O evento, em parceria com a Granja Pôr do Sol, vai discutir as condições da atividade na região Central de Minas.  As atividades, compostas por com quatro palestras técnicas, terão início às 13h. As inscrições gratuitas podem ser feitas pelo site . A suinocultura, assim como a avicultura, possui grande relevância econômica para as regiões Central e Centro-Oeste de Minas Gerais, onde se localizam várias granjas. Atualmente, o mercado está aquecido pelas exportações, o que aumenta a procura por técnicos especializados na área. Ainda que não possua pesquisas com foco na atividade, a EPAMIG contribui para o setor com a formação de mão-de-obra qualificada, por meio do curso técnico ofer

Maratona de Inovação gera 32 soluções para os desafios do Agro no interior de Pernambuco

Imagem
Após dez dias de intenso trabalho, chegou ao fim o Desafio  Garoa no Campo #Inovação , maratona de ideação de soluções para o setor agropecuário no interior de Pernambuco. Foram 32 projetos entregues, com premiação para as cinco melhores soluções ligadas aos desafios das principais cadeias produtivas do Estado: fruticultura, bovinocultura, horticultura, caprinovinocultura e avicultura. A próxima etapa, denominada Garoa no Campo #Imersão , será um programa de qualificação empreendedora de 15 semanas, com foco na modelagem de projetos e validação de soluções.  As 15 melhores equipes participantes da primeira fase (Garoa no Campo #Inovação) terão a oportunidade de lapidar as ideias propostas, com potencial de firmar parcerias para codesenvolvimento dos projetos junto ao setor produtivo.  As demais equipes e outros interessados poderão passar por um novo processo seletivo para participação.  Segundo o CEO do Habitat de Inovação Garoa e organizador do evento, José Augusto Br

Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem pela primeira vez no ano

Imagem
Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa , caíram pela primeira vez em 2020. Em junho, o ICPSuíno foi de 264,50 pontos, -0,46% em relação ao mês anterior, quando foi registrado o recorde de 265,73 pontos. Já o ICPFrango fechou em 262,06 pontos, -0,65% em comparação a maio, quando chegou a 263,77 pontos, também recorde do índice. Com isso, o ICPSuíno interrompe a sequência de altas mensais registradas desde outubro de 2019. Assim mesmo, em 2020, o índice acumula alta de 10,38% (e de 17,90% nos últimos 12 meses). O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina recuou dos R$ 4,64 em maio para R$ 4,62 em junho. Já o ICPFrango acumula agora 12,86% de alta em 2020 (e 18,34% nos últimos 12 meses). O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou dos R$ 3,41 em maio para R$ 3,39 em junho. Os índices de custos de produção

Custos de produção de suínos e de frangos de corte sobem em maio

Imagem
Fonte: Embrapa Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, voltaram a ter mais um mês de alta em maio, subindo 1% e 0,28%, respectivamente, na comparação com abril. Os dois índices têm acumulado altas em todos os meses de 2020. O ICPSuíno foi aos 265,73 pontos em maio, continuando a alta registrada mensalmente desde outubro de 2019. Este é o maior valor nominal do ICPSuíno desde a sua criação. Em 2020, o índice acumula alta de 10,85%. O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou dos R$ 4,60 em abril para R$ 4,64 em maio. Já o ICPFrango de abril chegou aos 263,77 pontos, também o maior valor nominal desde que o índice foi criado. De janeiro a maio deste ano, o acumulado já chega a 13,51%. Apenas os gastos com a nutrição dos animais subiram 12,11% em 2020. Com isso, o custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou

InovaPork fomenta a inovação na suinocultura

Imagem
Na próxima semana, de 31/05 a 02/06, a sede da Embrapa Suínos e Aves, em Concórdia/SC, será ponto de encontro para discussão de soluções inovadoras para a suinocultura. É a etapa final do InovaPork, primeiro desafio de ideias para esta cadeia produtiva. Durante os três dias do evento, cerca de 35 participantes, finalistas de dez equipes, terão a oportunidade de conhecer ainda mais o universo da produção e pesquisa por meio de uma imersão a campo e com mentoria de pesquisadores e profissionais de renome nas áreas de agronegócio, tecnologia e negócios. A programação inclui palestras e visitas técnicas. As apresentações de cada equipe acontecem no dia 2, quando serão conhecidas as três propostas vencedoras. A comissão julgadora avaliará quatro critérios nesta fase: impacto econômico, visão de futuro, barreiras de entrada e desenvolvimento e execução da proposta. As ideias selecionadas são de equipes do Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e São Paulo. O InovaPork, de acord

IMA cria cartilha com alerta aos suinocultores sobre peste suína clássica e africana

Imagem
O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) elaborou e disponibilizou em www.ima.mg.gov.br cartilha alertando os suinocultores mineiros sobre as formas de transmissão e medidas preventivas para a peste suína clássica (PSC) e peste suína africana (PSA) nos rebanhos de suínos do estado. A consulta à publicação é gratuita. A cartilha com orientações aos produtores sobre PSC se deve à confirmação em 6/10/2018 do foco da doença no município de Forquilha, no Ceará, o que colocou em alerta os estados da área livre de peste suína clássica, principalmente Minas Gerais que já possui o status de área livre de PSC obtido junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) . Quanto à Peste Suína Africana, diversos países do Leste Europeu e continente africado, e também China e Rússia já registraram focos da doença. O Ministério da Agricultura está adotando todos os cuidados para evitar a chegada deste vírus ao Brasil. Minas Gerais realiza vigilância permanente, como a força-tarefa em lixões e aterr

SUÍNOS: Menor oferta de animais para abate eleva preços do vivo

Imagem
Pesquisas do Cepea apontam que a menor oferta de animais para abate, especialmente no Sul do País, tem elevado as cotações do suíno vivo. Já quanto aos principais insumos da ração, o milho e o farelo de soja, a posição mais retraída de compradores consultados pelo Cepea tem impedido e/ou limitado altas nos preços. Com isso, o poder de compra do suinocultor tem se elevado na parcial de dezembro, na maior parte das regiões. No geral, mesmo com o ritmo de vendas para dezembro abaixo do esperado pelo setor, a oferta restrita de animais para abate tem elevado os preços do suíno. Fonte: Cepea

SUÍNOS: Poder de compra aumenta em outubro

Imagem
Com a elevação dos preços do suíno vivo e os recuos das cotações de milho e farelo de soja neste mês, o poder de compra de suinocultores de São Paulo e do oeste catarinense está mais favorável. Segundo pesquisadores do Cepea, no mercado suinícola, a oferta reduzida de animais para abate e o bom resultado das exportações no correr do segundo semestre têm elevado o preço do animal. Quanto ao milho, de acordo com a Equipe de Grãos/Cepea, os motivos das quedas são a maior disponibilidade no mercado doméstico e a retração de compradores. Finalmente, para o farelo, ainda de acordo com a Equipe de Grãos/Cepea, a demanda enfraquecida vem pressionando as negociações.  Fonte: Cepea

SUÍNOS: Exportação elevada sustenta preços no Brasil

Imagem
As exportações brasileiras de carne suína in natura seguem em ritmo de recuperação neste segundo semestre. A média diária de embarques da proteína na parcial de outubro (nove dias úteis) é de 2,86 mil toneladas, a maior desde novembro/16, segundo dados da Secex. Essa quantidade é 13% maior que a de setembro/18 e supera em 24% a de outubro/17, período em que a Rússia ainda figurava como o principal destino da carne brasileira. Conforme colaboradores do Cepea, o maior volume de carne suína escoado ao exterior tem enxugado a oferta da proteína no mercado doméstico e, consequentemente, elevado os preços internos. Para o animal vivo, verificam-se valorizações em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea. Na parcial do mês (até o dia 17), a média do preço do suíno negociado na região de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), de R$ 3,81/kg, subiu 3,6% frente à do mês anterior. Na Grande Belo Horizonte, a elevação nos preços foi de 3,7%, a R$ 3

Peste Suína Clássica no Brasil

Imagem
No último dia 6 de outubro, foi confirmado um foco de PSC (Peste Suína Clássica) no município de Forquilha (CE), em propriedade de criação familiar de subsistência sem vínculos com estabelecimentos comerciais ou de reprodução de suínos. O foco está a mais de 500 km distante da divisa com a zona livre de PSC do Brasil, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Portanto, a ocorrência não altera o reconhecimento internacional concedido a essa região, não justificando impactos no comércio de suínos e seus derivados. O diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Nacional Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio de técnicas moleculares, realizado em amostras de um suíno que apresentava sinais clínicos da doença. Estão sendo adotados os procedimentos para eliminação do foco, com sacrifício e destruição dos suínos, e investigação epidemiológica para as propriedades situadas no raio de 10 km em torno do foco e todas as propriedade

Índia abre mercado à carne suína brasileira

Imagem
O país mais que duplicou as importações de produtos do agro do Brasil neste ano O Ministério da Agricultura recebeu, terça-feira (25), informação sobre a abertura de mercado na Índia para a carne suína brasileira e seus produtos. “Agora, compete ao setor privado brasileiro atuar para que as exportações aconteçam e que o produto seja bem recebido pelos consumidores indianos”, comentou o ministro da Agricultura, Pecuária e abastecimento (Mapa), Blairo Maggi. A alíquota do imposto de importação para esse tipo de produto na Índia é de 30%, com exceção da salsicha, que é de 100%. Além do imposto de importação, o importador paga também um GST (equivalente ao ICMS) de 12%. Mas a carne suína importada no país não compete com a carne local, que tem público consumidor diferente. Até então, o principal fornecedor de carne suína para a Índia tem sido a Bélgica. No último mês, o governo indiano já havia autorizado a importação do Brasil de embriões bovinos “in vitro”.

Mapa amplia medidas para barrar eventual ingresso da peste suína africana

Imagem
O Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está ampliando as medidas de vigilância sanitária que visam evitar o ingresso do vírus da Peste Suína Africana (PSA) no Brasil. O diretor interino do DSA, Ronaldo Teixeira, alerta que “as ações de vigilância e o envolvimento por parte da sociedade brasileira (empresas, técnicos, produtores, passageiros e órgãos públicos) são fundamentais para manter a suinocultura do Brasil livre da doença que tem se alastrado em várias partes do mundo. Já atingiu o Leste da Europa, Ásia, África e Rússia. No Japão, em agosto, foi registrado foco, inclusive, da forma clássica da doença. No Brasil, a PSA foi erradicada em 5 de dezembro de 1984 e o país foi declarado área livre da doença. Todos os setores do Ministério ligados à defesa agropecuária, junto com os órgãos estaduais de sanidade agropecuária e instituições públicas e privadas que atuam na produção, industrialização e comércio de

Pocilgas Hotéis na China: Chineses verticalizam suas granjas para acelerar expansão

Imagem
Na montanha Yaji, no sul da China, eles dizem que os porcos em breve viverão mais do que nunca.  A empresa agrícola de propriedade privada Guangxi Yangxiang Co Ltda já está executando duas operações de reprodução de porcas de sete andares, e está colocando mais quatro, duas com até 13 andares, que serão os edifícios mais altos de seu tipo globalmente.  Apelidados de "hotéis" de suínos, as pocilgas de vários andares e de alta tecnologia foram testados na Europa, mas largamente abandonados em detrimento da resistência do consumidor a grandes fazendas intensivas - térreas ou não - ou dificuldades de gestão.  Agora, à medida que a China avança com a rápida industrialização do maior rebanho de suínos do mundo, as residências de alto padrão estão se tornando uma tendência crescente, apesar de seu alto custo. Yangxiang terá 30.000 matrizes, comparado com uma fazenda de criação de 10.000 matrizes de um nível mais típica.  Ele disse que reduz o risco de os suínos pe

IMA passa a utilizar tecnologia em dispositivo móvel na certificação de granjas de reprodutores de suídeos

Imagem
O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) deu início nesse mês à certificação das Granjas Reprodutoras de Suídeos Certificados (GRSCs) utilizando tecnologia em dispositivo móvel desenvolvida pelo próprio Instituto. Até então o trabalho de campo para essa certificação era feito em formulários impressos. Minas Gerais possui o quarto maior rebanho nacional de suínos, com cerca de 5,1 milhões de animais e o terceiro maior rebanho de matrizes fêmeas em reprodução, com 308.854 animais. Nesse contexto, as GRSCs assumem uma função importante pois são certificadas como livres de peste suína clássica, doença de aujeszk, brucelose, tuberculose, sarna e livre ou controlada para leptospira. Essa condição as coloca no topo da pirâmide sanitária e genética da suinocultura brasileira como fornecedoras de matrizes, reprodutores e material genético de alta qualidade para o mercado. Minas possui 29 dessas granjas que abrigam cerca de 39 mil reprodutores de suídeos certificados. O uso da nova tecnologia

SUÍNOS/CEPEA: Com pressão compradora e recuo de exportações, valores recuam

Imagem
Nesta segunda quinzena de janeiro, devido à menor demanda, os valores dos principais produtos suinícolas acompanhados pelo Cepea estão em queda. Na região de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), o preço do animal vivo recuou 4,4% de 10 a 17 de janeiro, passando a R$ 3,83/kg nessa quarta-feira, 17. A carcaça especial foi cotada a R$ 6,05/kg na Grande São Paulo ontem, recuo de expressivos 3,6% frente ao dia 10. Além da fraca demanda interna, a retração também ocorre nas compras internacionais. A média de embarques diários de carne suína in natura em janeiro, de 1,9 mil toneladas, está 14% abaixo da de dez/17, de 2,2 mil t, segundo dados da Secex. Fonte: Cepea
E aí, gostou da matéria? A Agroales News tem em sua missão trazer boas informações aos seus leitores. Sinta-se livre para curtir, comentar e compartilhar nas redes sociais! Contribua com PIX! Chave PIX AGROALES: 999e11f7-141b-460e-a5fe-27a2673c20b3